domingo, 8 de dezembro de 2013

Biografia do Pastor chinês Watchman Nee


MEU COMENTÁRIO: em tempos em que ouvimos tantas vozes de sucesso falando de Deus, nada mais oportuno do que ler o único livro que este Pastor chinês escreveu: O HOMEM ESPIRITUAL. Apesar da Teologia não seguir a cartilha de nossos dias, quem escreveu não possuía jatinho, nem apartamento em Miami, muito menos tinha programas em Rádio e na Televisão. Na verdade, não possuía conforto material algum, porque sua "mansão" ficava dentro de uma prisão no interior da China. Pastor Nee foi preso em 1952 e morreu (tuberculoso) na mesma prisão em 1972. Vinte anos preso. Ele foi, no século passado, o primeiro líder a estabelecer os chamados grupos familiares, com o nome de  "Pequenos Rebanhos". Não o fez para mostrar quanto sua Igreja crescia, mas para levá-la aos subterrâneos da China, antes que o comunismo destruísse tudo. Fez por uma visão de Deus. Neste universo Evangélico atual, onde os paradigmas morais estão se dissolvendo como açúcar,  ler os três volumes deste livro (Editora Betânia) não é voltar ao passado, mas pensar no futuro. No futuro de nossa vida espiritual e a de  nossas famílias. Com carinho: Irmão João Cruzué.

BIOGRAFIA

Pastor Watchman Nee - (1903-1972)

Voidspace.org

Tradução: João Cruzué

Nee To-sheng ou Watchman Nee, o grande líder cristão chinês, nasceu numa província do Sul da China. Em sua juventude, provou ser um indivíduo dotado de grande inteligência e um futuro promissor. Ele foi consistentemente o melhor melhor aluno da Faculdade Trinity, adquirindo excelente histórico acadêmico. Nee, naturalmente, tinha grandes sonhos e planos para uma carreira cheia de realizações.

Em 1920, aos 17 anos de idade, conheceu o evangelho e depois de algumas lutas internas aceitou Jesus como seu Salvador e Senhor; ao tomar essa decisão deixou a carreira universitária. Desde então, seu ministério passou a ser conhecido como um dos mais espirituais e significativos do século 20. Seu nome anterior era Nee Shu-tsu. Após sua conversão mudou seu nome para Nee To-sheng, devido a um costume local, segundo o qual, se algum fato mudasse a vida de uma pessoa, ela mudaria de nome. No caso de Nee, foi sua conversão ao cristianismo.

Já no início de sua vida cristã começou a escrever. Seu ministério de aproximadamente 30 anos foi uma bênção de Deus para a Igreja chinesa, e seus livros ainda serão por muito tempo um manancial de espiritualidade e inspiração para cristãos em todo mundo, em todas as épocas. Sua obra teve um profundo impacto sobre a divulgação do evangelho e o estabelecimento de centenas de igrejas locais através da Ásia. Por causa da sua fé em Cristo, Nee foi preso em 1952 pelo regime comunista de Mao Tse-tung, permanecendo seus últimos 20 anos de vida na prisão.

No início ele era um cristão metodista, depois, começou ele mesmo a restauração da Igreja nos moldes da Igreja Primitiva, segundo estava nas escrituras. Ele era ferrenho opositor da fragmentação do corpo de Cristo pela criação indiscriminada de denominações e divisões da Igreja. Sua Igreja em Xangai cresceu e chegou a ter 3.000 membros. Orando, decidiu dividi-la em 15 grupos, chamados de "pequenos rebanhos". Cada pequeno rebanho (grupo familiar) chegava a ter 200 membros. No início dos anos 40, a Igreja de Nee já possuía perto de 500 "pequenos rebanhos". Em 1941, Xangai foi invadida pelo exército japonês e a Igreja começou a passar por necessidades financeiras. Ele e seu irmão montaram um empresa farmacêutica para complementar os recursos para as necessidades da Igreja . Daí pode-se perceber que o sistema de grupos familiares, desenvolvido mais tarde na Igreja sul coreana pelo Pastor Paul Yonggi Cho foi influências do trabalho de Nee.

Em 1949, o Partido Comunista da China derrubou o governo nacionalista e instituiu a Republica Popular da China. A princípio, os comunistas insinuaram um apoio aos líderes cristãos locais, enquanto expulsava os missionários "imperialistas". Dois anos mais tarde, Mao Tse-tung mostrou sua verdadeira intenção - a de controlar as Igrejas. Durante esse tempo, os pequenos rebanhos resistiam a ordem comunista de que todos deveriam ser filiados a Igreja Cristã Nacional, uma organização fantoche. Milhares de membros da Igreja de Nee foram mortos ou colocados em prisões. Havia informantes comunistas se infiltrados entre os grupos.

Os pastores eram rotulados de lacaios dos imperialistas estrangeiros e Nee foi acusado de liderar um grande sistema secreto que envenenava as pessoas com palavras reacionárias. Em 1952 ele foi preso. Antes disso, ajudou a criar várias Igrejas subterrâneas. Em 1956,foi julgado e sentenciado à prisão por 15 anos. Em 1967, ele deveria ser solto, mas com a seguinte condição: de nunca mais voltar a pregar o evangelho. Nee não concordou. Ele foi transferido para outra prisão onde morreu cinco anos mais tarde. Ele preparou a Igreja da China para sobreviver sob a "cortina de bambu" e ela Sobreviveu. Mao se foi, mas Jesus continua na China salvando, batizando e derramando o Espírito Santo. Veja isto nas fotos tiradas mais recentemente: fotos da igreja da china.


A conversão de Watchman Nee
e o início do seu ministério.


"Meu nascimento foi em resposta de uma oração. Minha mãe tinha muito medo de que sucedesse a ela o mesmo que acontecera a sua cunhada que tivera seis filhas, o que segundo os costumes chineses era ruim, pois meninos eram os mais desejados. Mamãe já tivera duas meninas, e embora não entendesse completamente o compromisso de uma oração, ela orou ao Senhor e disse: “Se o Senhor me der um filho, eu lho darei de volta de presente". E, o Senhor ouviu sua oração, e eu nasci. foi meu pai que mais tarde me dissera que antes do meu nascimento minha mãe tinha-me prometido ao Senhor".

Para muitas pessoas, a característica proeminente de ser salvo é o ato de ser liberto do pecado. Entretanto, para mim a questão era se eu aceitaria Jesus e me tornaria seu seguidor e um servo ao mesmo tempo. Eu Fiquei assustado porque se me tornasse um cristão então eu seria chamado para servir a Cristo, e isto iria custar muito caro para mim. Conseqüentemente, o conflito foi resolvido assim que eu percebi que minha salvação deveria ter os dois aspectos. Então, decidi aceitar Cristo como meu Salvador e servi-lo como meu Senhor. Isto foi em 1920, quando tinha 17 anos de idade.

"Na tarde de 29 de abril de 1920, eu estava sozinho em meu quarto lutando para decidir se deveria ou não crer em Cristo. Primeiro, eu estava relutante, mas assim que tentei orar, vi a magnitude dos meus pecados e a realidade, a eficácia de Jesus como Salvador. Assim que eu visualizei as mãos do Senhor estendidas sobre a cruz, elas pareciam me envolver e vi o Senhor dizer: Eu estava aqui esperando por você!

Observando efetivamente o sangue de Cristo limpando meus pecados e cobrindo me de tanto amor eu o aceitei ali mesmo em meu quarto. Anteriormente, eu havia rido das pessoas que aceitavam Jesus, mas naquela tarde, a experiência se tornou também real para mim, e eu chorei, e confessei meus pecados, procurando pelo perdão do Senhor. Assim que fiz minha primeira oração, eu conheci uma alegria e paz tais, que eu nunca tinha experimentado antes. Uma luz parecia fluir no quarto e eu disse ao Senhor: Jesus, o Senhor tem sido deveras misericordioso para comigo."

Depois que me tornei um salvo em Cristo, enquanto meus colegas traziam novelas para ler em classe, eu levava a Bíblia para estudar. Mais tarde, eu deixei a Faculdade para entrar em um Instituto Bíblico, sediado em Xangai criado pela irmã Dora Yu. No começo, por muitas vezes, ela muito educadamente tentou me expulsar do instituto com a explicação de que era inconveniente para mim ficar ali mais tempo. Na realidade era por causa de meu exigente apetite, roupas diletantes e costume de me levantar muito tarde pelas manhãs. Ela queria me mandar embora. Meu desejo de servir a Deus tinha levado um sério revés.

Embora eu pensasse que minha vida tinha sido transformada, de fato permaneciam muitas e muitas coisas que precisavam ser mudadas. Percebendo que eu ainda não estava pronto para o serviço do Senhor, decidi voltar a escola secular. Meus colegas de classe reconheceram que algumas coisas tinha alterado em minha vida mas que existiam muitas outras que ainda permaneciam em meu velho temperamento . Por isso, meu testemunho na escola não era muito poderoso, e quando pela primeira vez dei meu testemunho para o irmão Weigh, ele não me deu atenção.

Seguindo minha nova natureza de salvo já havia muitas mudanças e todo um planejamento de mais de dez anos se tornou sem significado e minhas ambições de uma brilhante carreira já estavam sendo descartadas. A partir daquele dia com uma inegável certeza do chamado de Deus, eu sabia qual deveria ser carreira da minha vida. Eu entendi que o Senhor tinha me escolhido para si, para minha própria salvação e para sua glória. Ele tinha me chamado para servi-lo e para ser seu amigo-operário.

Antes eu desprezava pregadores e pregações porque naqueles dias eles eram assalariados dos missionários americanos ou europeus, e por este serviço ganhavam deles míseros oito ou nove dólares de prata por mês. Eu nunca imaginaria, nem por um momento, que me tornaria um pregador, uma profissão a qual eu considerava tão insignificante.

Depois de me tornar um cristão, tive espontaneamente um desejo de levar outras pessoas para Cristo, mas depois de um ano de testemunho e testemunhando para meus colegas de escola secular, não havia nenhum resultado visível. Eu pensava que mais palavras e mais razões seriam eficientes, mas meu testemunho parecia não ter um efeito poderoso sobre as pessoas.

Tempos mais tarde, encontrei uma missionária da Região Oeste, a irmã Grose, que me perguntou quantas pessoas tinham sido salvas através de mim naquele primeiro ano. Eu abaixei minha cabeça e vergonhosamente confessei que a despeito de minhas tentativas de pregar o evangelho para meus colegas, nenhum deles tinha se convertido.

Então, ela me disse francamente que deveria existir alguma coisa errada impedindo minha comunicação com o Senhor. Talvez fosse um pecado escondido, dívidas ou algum outro impedimento. Admiti que tais coisas existiam e ela me arguiu se estava disposto resolvê-las, imediatamente. Concordei. A seguir me perguntou como dava meu testemunho e eu lhe disse que escolhia as pessoas ao acaso e lhes falava a respeito do Senhor, se elas mostrassem algum interesse. Ao que a missionária me ensinou que eu deveria fazer uma lista e orasse por meus amigos primeiro, enquanto aguardasse pela oportunidade de Deus para testemunhar para eles.

Imediatamente, comecei a colocar minha vida em ordem para eliminar os problemas que impediam minha comunhão com o Senhor. Ao mesmo tempo, fiz uma lista com o nome de setenta amigos com o propósito de orar por eles diariamente. Alguns dias eu orava a cada hora, até na sala de aula. Quando as oportunidades vieram eu tentava persuadi-los a crer no Senhor Jesus. Meus colegas freqüentemente diziam jocosamente, lá vem o Sr. pregador, vamos ouvir sua pregação... Embora de fato, eles não tivessem a mínima intenção de ouvir.

Eu contei, depois, meu fracasso a irmã Grose e ela me persuadiu a continuar orando até que algum deles fosse salvo. E, com a graça do Senhor continuei orando diariamente, e depois de vários meses, todas, com exceção de uma, das setenta pessoas daquela lista foram salvas

........
...

Duas frases de Watchman Nee:
"A menos que sejamos tratados e quebrantados por meio da disciplina, estaremos restringindo o poder de Deus. Sem o quebrantamento do homem exterior, a igreja não pode ser um canal de Deus".

E, em sua última carta, escrita no dia de sua morte: " Apesar da minha doença, ainda continuo cheio de alegria em meu coração" http://www.watchmannee.org/

Ultima nota: Nee tinha um espinho na carne controlado pela graça de Deus. Desde 1924, ele era tuberculoso. Sobre esse assunto, estive olhando o material e pude ver que a luta de Nee em oração contra essa doença é de uma inspiração e edificação maravilhosas. Ele dependia do Senhor, todo dia, para viver por causa da doença. Viveu com ela 48 anos. Deve demandar umas duas semanas de tradução. Orem por mim, pois gostaria de compartilhar essa bênção com meus leitores.

Comentários: quando olho para as fotos deste chinês, meus olhos ficam molhados. Para ser cristão na China, naquela época, tinha que desprezar a própria vida. Ele sabia o preço e não negociava. Quando quiseram libertá-lo, em 1968, com a condição de nunca mais pregar o nome de Jesus, ele não aceitou e assim o mantiveram no cárcere até à morte. Quando for da próxima vez a uma livraria cristã, não perca tempo. Watchman Nee escreveu sobre aquilo que vivenciava.

Ainda não terminou. Agora veja 90 fotos aqui da Igreja Evangélica da China

Fonte de pesquisa do testemunho


tradução de Joao Cruzue
cruzue@gmail.com


.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Crente na Política e Pastor na Igreja


A MISSÃO DA IGREJA É PREGAR O EVANGELHO

BÍBLIA
João Cruzué

Quero deixar registrado com bastante clareza, aqui, minha opinião sobre o papel da  Igreja  e de seus pastores na política da nação brasileira. Blogueiro evangélico desde 2005, e cristão servo do Senhor Jesus Cristo desde os 19 anos, sou compelido a posicionar-me de forma clara, de acordo com o conhecimento da vontade do Senhor que adquiri neste quase 40 anos. Se o interesse exagerado da Igreja Evangélica brasileira  e de seus pastores não for criticado, comentado, reprovado, combatido, ele só vai aumentar!

É certo que sem a Política, o Estado não vai destinar com eficiência e equidade os recursos dos tributos que pagamos. A Política, para mim, é a arte de conversar com o propósito de conhecer os problemas da nação e levar recursos  para onde há maior carência. Por exemplo: estamos praticamente em 2014 e a transposição do Rio São Francisco ainda não foi concluída. Por outro lado, fala-se abertamente na licitação do trem bala, entre São Paulo - Rio de Janeiro, a um custo de 50 bilhões de reais. Nos meios políticos, o feeling é que a primeira obra está atrasada e precisa ser concluída, enquanto que não é hora de licitar a obra do trem bala.

Quanto a Igreja, O Senhor Jesus não a edificou para outro propósito senão para ser uma casa de oração para todos os povos. Uma instituição divina e mística para cuidar da vida espiritual das pessoas. A Igreja é a porta e o caminho de  reino totalmente distinto do mundo social. Dessa forma, representação política e Igreja são coisas bem distintas. Na Igreja, a autoridade maior é o SENHOR JESUS. Na política, a autoridade maior pode ser qualquer cidadão/cidadã. Mas, em nenhuma passagem do Novo Testamento, seja pelas palavras do SENHOR, ou de Paulo, João, Pedro ou Tiago está escrito que a missão da Igreja é fazer política. A César o que é de César e a DEUS o que é de DEUS.

"Ide por todo mundo e pregai o Evangelho a toda criatura" (Marcos 16:15) - é esta a missão da Igreja.

O abandono do arado. É esta, a imagem que vejo quando percebo a preocupação das grandes denominações evangélicas, através de seus líderes,  em participar ativamente de projetos políticos, aspirando posições e cargos de poder temporal. Isto  não é bom. Isto é condenável. Um pastor que recebeu a convocação do SENHOR, a unção ministerial para cuidar do rebanho do SENHOR, quando larga tudo isso para ser um Vereador, um Deputado, Senador, Governador, ou até mesmo um Presidente, está trocando o sagrado pelo profano. Está jogando no lixo o dom do SENHOR.

Não importa se esse pastor, bispo, evangelista, apóstolo seja quem for: trocou a chamada para cuidar do rebanho do SENHOR por uma  cadeira de representação política, sinto muito. É sim, um profeta velho e um homem desviado.

Um erro de estratégia. Uma falta de paciência. Se as denominações evangélicas estivessem trabalhando prioritariamente em projetos de evangelização nos últimos 20 anos, a metade do Brasil já seria do Senhor Jesus. Isto por si só, evitaria a grande perda de tempo (e ministérios pastorais) em projetos políticos, porque se o povo de uma nação se converter ao Senhor, seus políticos serão homens com temor de DEUS.

O que a Igreja tem ganhado com a participação direta de seus pastores nas casas legislativas brasileiras? Meu comentário: pode até  ter colocado muitos pastores no poder, pode a bancada evangélica até ter chegado a 20%. Todavia,  a um custo muito alto: a sua credibilidade. Hoje, diante dos olhos da nação, qual tem sido a imagem, por exemplo: de Bisbo Macedo, de um Marco Feliciano, de um Valdemiro Santiago, R. R. Soares, Silas Malafaia...

Decididamente a de homens de negócios! Têm fama, mas não têm credibilidade perante o povo. Têm poder, mas o sucesso que eles têm não é sinônimo de inerrância. Poder temporal e fortuna são coisas que destoam do perfil do CRISTO e, se destoam, devo tomar cuidado com a voz dos falsos profetas.


Lugar de Pastor evangélico não é na política, mas cuidando da sua missão espiritual: Orando, evangelizando, pastoreando, consolando, aconselhando, repreendendo, ajudando a levantar, a perdoar... Deixar o espiritual pelo material é loucura.  

O crente deve ficar afastado da política? Note bem: até agora estava criticando a postura de LIDERANÇAS EVANGÉLICAS que têm exagerado em projetos políticos. Quanto aos crentes que não têm chamada pastoral, nem unção ministerial para o trabalho do SENHOR, ao meu ver, estão livres para ser: médicos, políticos, cantores, esportistas, militares, juízes, advogados, ministros, deputados, governadores, senadores e até presidentes. Cada um ore e aja sempre de acordo com o propósito de Deus para si.

O papel da Igreja não é separar seus pastores mais populares para serem candidatos a cargos eletivos, porque eles têm compromisso com Aquele que os separou. Se a Igreja fizer isto, estará pisando nos dons ministeriais de seus líderes, e Deus não vai deixar isto impune.

O papel da Igreja Evangélica é pregar o Evangelho da salvação ao pobre para que ele encontre o caminho da prosperidade; ao enfermo para que ele receba a cura; ao oprimido pelo diabo para que ele seja liberto; ao corrupto para que ele deixe de roubar o sustento do pobre, a correção da aposentadoria da viúva,  o sustento dos velhinhos, o pão da criança desamparada.

O papel da Igreja é condenar a corrupção, e não caminhar ao lado dos corruptos. O papel da Igreja é preparar seus jovens para apregoar o ano aceitável do Senhor Jesus, em lugar recrutá-los para distribuir "santinhos" na porta dos templos.

O papel da Igreja não trazer candidatos ao púlpito, mas ensinar  os novos convertidos o som da voz do Espírito Santo, para que possam discernir de pronto  se é o santo ou o profano que está falando. 

Com tantas almas perdidas na miséria e no pecado, a Igreja está precisando de mais Pastores, mais Bispos, mais Apóstolos para enviar ao campo em lugar de mandá-los para ser políticos em Brasília. Mais juízo e menos vaidade.

Por outro lado, é também o papel da Igreja levar, por meio da Palavra de Deus, homens e mulheres  a possuir o temor de Deus, para que sejam aptos a toda a boa obra, inclusive, servir à nação em qualquer cargo ou função da carreira pública, porque se isto não for feito, a corrupção continuará apodrecendo a política e roubando o futuro de milhões de brasileiros.

Crente na política e Pastor na Igreja!











domingo, 17 de novembro de 2013

Ministro Joaquim Barbosa do STF pode ir para o Planalto




O PAIS QUE ASPIRAMOS A TER É UM PAÍS ONDE  OS POLÍTICOS
CORRUPTOS NÃO  CONTINUEM ROUBANDO  A NAÇÃO  POR MAIS 500 ANOS.
(paráfrase de J.Cruzué)



Foto: Roberto Stuckert Filho



E se fosse a passagem da faixa presidêncial?


João Cruzué

Quando  a reforma da Previdência foi votada na Câmara Federal em 2003 pelo placar de 358 votos a favor, 126 contra  e 9 abstenções o juiz mineiro Luiz Flávio Gomes  concluiu que, diante do reconhecimento pelo STF da existência do mensalão (em julgamento na AP 470) e, por conseguinte, da constatação de que entre 2003 e 2004 houve compra de votos de parlamentares, as normas neste período editadas padecem do vício da inconstitucionalidade. Na Sexta-feira passada, dia 15 de novembro de 2013, o STF, sob a presidência do Ministro Joaquim Barbosa, mandou por na cadeia a primeira leva de mensaleiros. Neste intervalo de 10 anos, o Brasil inteiro viu a corrupção ser institucionalizada, louvada, praticada e, graças a Deus, reprovada e encanada!

Por muito pouco o STF não acabou sendo aparelhado para cumprir o desejo dos corruptos, que era a de que tudo terminaria em uma grande pizza. Foi público e notório o engajamento de certos ministros para livrar a cara dos graúdos mensaleiros. A forma como todos ministros mais novos votaram (sempre a favor dos mensaleiros) deixou transparecer que para receber a toga, tiveram que ouvir alguns pleitos. Isto é tanto bem claro, quando analisamos a resposta do Ministro Luiz Fuchs quando lhe lhe foi perguntado como votaria no caso, e ele como muita sabedoria disse  que "mataria a questão no peito".

O Brasil ainda tem jeito. Ainda não foi desta vez que a corrupção foi coroada em nosso país. E nem vai ser, porque ainda existem homens e mulheres anônimos que oram e um Deus que responde orações.

Caso é sabido, o mundo espiritual governa o mundo material. Aquilo que vemos e presenciamos é o reflexo da guerra que está sendo travada no plano espiritual, onde as hostes espirituais da maldade estão comprando a consciência de pessoas influentes com ofertas de fama e poder. Que pessoas são estas: artistas, políticos e líderes religiosos.

De repente, para  a votação de matérias importantes nas Casas Legislativas da nossa nação nos surpreendemos com informações da imprensa que há um preço, uma porcentagem, um pleito - o chamado: "É dando que se recebe". De onde vem isto? Até há pouco tempo isto era um assunto velado. Mas, a ousadia dos corruptos cresceu tanto que a coisa, do jeito que é mostrada, ficou institucionalizada.

A corrupção é do diabo. Ela não tem coloração partidária. Não é do PT nem do PSDB.Paradoxalmente, ao mesmo tempo, habita no meio de todos estes partidos na medida que seus integrantes se corrompem e se deixam corromper.

Ano que vem teremos eleições majoritárias. Difícil escolher no meio do que aí está. Se disser que é tudo farinha do mesmo saco, não estaria longe da verdade. 

É hora de orarmos para que os homens que têm compromisso com a moral, tenham também a coragem de participar de pleitos públicos. O Brasil precisa ter seu momento de virada. Não estaria longe da verdade se dissesse que 1/4 do PIB brasileiro todo ano é desviado para o bolso de empresas corruptas que compram a consciência de políticos - que fazem fila - as suas portas.

Soube que o Ministro Joaquim Barbosa está pensando em se candidatar à Presidência da República. Pessoalmente vou orar, para que ele crie coragem e faça isto ainda o ano que vem.

Se ele deu certo  no STF, também pode dar certo no Palácio do Planalto.











domingo, 13 de outubro de 2013

Evangelização Infantil começa em casa e continua na Igreja


.

"Nove Maneiras Práticas de

assegurar o vínculo dos pe
quenos com Jesus"
 
STEVE ALLEY
Tradução: João Cruzué
Abra ou derrubarei a porta!

"Com certeza você já viu esta cena em algum filme. Os bandidos estão cercados atrás de uma porta fechada. Os mocinhos chegam e terminam derrubando a porta. Eles chutam, batem, fazem tudo que puderem para remover a barreira.

Há muito tempo (antes dos filmes de polícia e bandidos) Jesus encorajava seus discípulos a também quebrar as barreiras. Disse Jesus: Deixai vir a mim as criancinhas, e não as impeçais” (Mateus 19:14)Jesus entendia que há coisas que nós adultos fazemos que atrapalham os pequeninos de chegar até Ele. E Jesus em essência gritou: “Abram ou derrubarei a porta”. Precisamos avaliar criteriosamente nossos ministérios para ver se existem neles impedimentos que estorvam as crianças de chegar até o Cristo.

Cada professor que você treina, instalações que projeta, currículo que seleciona, Real que investe, em suma: cada decisão que você toma – deve ser motivada por uma filosofia que obedeça a ordem de Jesus de “não impedir as crianças.” Estas nove áreas de atuação, a seguir, o ajudarão a criar um ambiente livre de estorvos para as crianças da sua Igreja.
1. Fundamentos da Fé para Crianças -“Como se tornar um Cristão” foi um dos primeiros passos que implementamos quando pastoreávamos uma congregação de 700 membros, todos com menos de 12 anos de idade. Ali estabelecemos um critério para ajudar as crianças na tomada desta importante DECISÃO que incluía considerações por idade, privacidade, envolvimento paterno e estudos posteriores. Nossa objetivo era pavimentar um caminho para as crianças chegarem a Jesus.







2. Uso eficaz das instalações
 – Instalações usadas e malfeitas impedem as crianças. Lembre-se, os pais trazem suas crianças, e se os pais forem esquecidos pelas nossas instalações, as crianças não serão trazidas. Quando observei isto, limpei nossas instalações, pintei, e fiz reparos onde era necessário.  Desinfetei o quarto de crianças, dei aventais coloridos para os funcionários, e acrescentei a música. Logo os pais não só aprovaram, como também quiseram ficar e ajudar.

Avalie o ambiente de suas salas, linhas de tráfego, mobília, brinquedos, áreas de suprimentos. Eles revelam sinais de boas-vindas ou impedem as crianças? Você tem uma sala de materiais, um guichê de informações com mapas e brochuras para os pais, sinais que que identifiquem as salas? Se você está recebendo pessoas em nome de Jesus, então deve preparar o lugar.
3. Currículo Relevante – As crianças do terceiro milênio precisam encontrar Jesus com uma terminologia e estratégias de ensino que reflitam sua visão mundial, identifiquem seus medos, e satisfaçam suas necessidades. Um currículo fraco ou antiquado impede as crianças de chegar a Jesus.Quando incorporei um novo currículo ao ministério, tive vários professores que dessistiram porque eles pensavam que um currículo impresso “limitava” o Espírito Santo. Muitas vezes você tem que abrir caminho a despeito da oposição. We vi que o Senhor abençoava nossa mudança de currículo; isto trouxe consistência e unidade para o nosso sempre crescente ministério.







4. Professores Treinados
 - Há muitas pessoas perfeitas, religiosas que não deviam estar ensinando. Percebi isso em alguns professores veteranos quando exigi que todos os professores existentes passassem pelo nosso processo de treinamento.Junto com a melhoria da capacidade de ensino de nossos professores, também recebemos novos professores que eram bem-vindos para serem treinados e aproveitados como aprendizes. Uma equipe de ensino, monitores, e rotação que garantia períodos de descanso além de dobrar nosso staff de professores em menos de um ano.

5. Ordem e Unidade – se seus professores são desunidos, as crianças serão impedidas. Eu fiz tudo que pude para organizar uma equipe de ensino. Nós tínhamos eventos sociais para construir um espírito de equipe. Eu instalei caixas de mensagens, enviei boletins informativos, e instalei quadros de avisos para estar certo de que todo mundo estivesse bem informado. Eu desenvolvi a grade curricular por idade e deleguei nomeei coordenadores para pastorear grupos menores.



6. Visibilidade das Crianças – Se seu ministério de crianças em baseado em uma filosofia do tipo “ver sem ouvir” ele não crescerá e as crianças não receberam uma atenção de qualidade que Jesus tem em mente. Eu mudei as palavras “Cuidado infantil é providenciado” em nosso boletim para “Aulas de ministério infantil são oferecidas” Devotamente fiz tudo que podia para incluir histórias de professores e de crianças nos cultos de adoração de adultos.Faça o coral de suas crianças cantar, mostre isso em vídeo, faça com que crianças as participem do culto e desafie os adultos a se envolverem exibindo "O maravilhoso Mundo das Crianças." Os adultos do dia de Jesus queriam manter as crianças separadas e distantes, mas Cristo fez uma afirmação pública quando convidou as crianças para irem até Ele, depois as manteve em seu regaço, e as abençoou.

7. Suporte aos Pais - os pais de hoje são estressados, ocupados e às vezes assustados com as responsabilidades da paternidade. A maior parte são receptivos a uma ajuda no processo da paternidade. Lembro-me confrontando uma senhora que constantemente levava suas crianças até a porta da Igreja sem entrar para o culto. Nunca esquecerei sua resposta chorosa. Ela me contou sua história e por que  não queria que suas crianças crescessem, sem Deus, como ela. Aquele encontro direcionou-me a uma série de aulas sobre cuidados paternais que ela alegremente assistiu. Quando o lar fica mais distante da igreja, é a igreja que deve estender mais longe os braços do amor!






8. Orçamento Robusto
 – Seu orçamento é a filosofia do seu ministério com crianças expresso em números. Uma falta de visão no orçamento pode impedir as crianças. Cada ano você precisa incluir registros detalhados de cada centavo gasto e das solicitações para aumento de verbas para sustentar novo crescimento. Não tenha medo de pedir dinheiro. Lembre-se: “Nada recebeis porque nada pedis”(Tiago 4:2) É seu trabalho educar as lideranças da igreja sobre a importância das crianças. Para ajuda extra sobre a elaboração de um orçamento, pesquise na WEB.

9. Programas Relevantes - Os programas devem se relacionar às necessidades ou os interesses das crianças a que eles assistem. Um dos maiores programas que nossa equipe ministerial criou foi um programa que qualificava juniores para trabalharem como assistentes do ministério de crianças. Vimos crianças que antes eram entediadas com a cristandade, repentinamente se tornarem colíderes.

As crianças da sua Igreja merecem variedade e criatividade, portanto elabore um programa que ofereça um variado menu de escolhas: VBS, clubes de crianças, corais, grupos de representação, acampamento de verão, retiros, e mais. A criança do terceiro milênio tem interesses únicos e diferentes que o mundo ficaria feliz em descobrir para escapar da ruína. A igreja deve contra-atacar com o Poder de Deus.






Tudo o que fizermos 
impedirá ou encorajará o progresso das crianças em direção à melhora de seu relacionamento com Jesus. Peça a Deus para que lhe mostre onde estão as áreas em que você deve atuar para a facilitação da subida dos pequenos até os braços de Jesus."

Fonte: http://www.childrensministry.com

Steve Alley é professor da Church Ministry at Pacific Christian College in Fullerton, California, e coautor de Skituations

.http://olharcristao.blogspot.com/2008/08/adolescentes-verdade-sobre-o-sexo.html

domingo, 29 de setembro de 2013

Seminário de Ciências Bíblicas na UERJ


Divulgação.

.

Convite do Pastor Maurício Price

VIII Seminário de Ciências Bíblicas no RJ 

A Cidade do Rio de Janeiro (RJ) receberá pela oitava vez o tradicional Seminário de Ciências Bíblicas. Promovido pela Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), o evento será realizado nos dias 09 e 10 de outubro 2013, na Capela da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no campus Maracanã. 

A iniciativa visa contribuir para a ampliação do conhecimento sobre o Livro Sagrado. Para isso, reúne palestras que abordam aspectos sobre tradução da Bíblia e sua história, bem como a aplicação dos ensinamentos do Livro Sagrado em diferentes setores sociais, na igreja, na família e na escola, entre outros. Realizados desde o ano 2000, esses encontros já alcançaram milhares de pastores, líderes cristãos, obreiros, professores de escola bíblica e seminaristas. 

A edição da capital fluminense terá dois painéis principais, além de espaço para uma sessão de perguntas e respostas. O moderador do evento será o Pastor Mauricio Price, coordenador geral do Movimento Evangélico Universitário. Na ocasião, haverá também apresentações musicais do Coral da Igreja Assembleia de Deus de Madureira e da Orquestra da UCADERJ ( União dos Corais das Assembléias de Deus do Estado do Rio de Janeiro). Haverá certificados aos participantes. Entrada franca. Inscrições no dia e local. 

Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (21) 2221-9883 (ramal 05) e 0800-727-8888. Confira, a seguir, a programação completa do evento e participe: 

09 de outubro 
Horário: Das 19h às 22h 
Tema do painel: A Bíblia no mundo digital – Elismar Vilvock 

10 de outubro 
Horário: Das 19h às 22h 
Tema do painel:   A Bíblia e o futuro da Humanidade – Henrique Araújo 

Os palestrantes e moderador 
::A Bíblia no mundo digital : Em toda a Bíblia há relatos de mensagens sendo escritas em diversos materiais e esta tem sido, por muito tempo, a melhor maneira de transmitir conhecimento de uma geração para outra. Com a descoberta do mundo digital, notou-se que aquilo que antes parecia a solução ideal, tinha seus problemas, dando início a uma nova busca, chamada de "conteúdo digital". A SBB desenvolve alguns produtos digitais, entre os quais a Biblioteca Digital da Bíblia (Libronix), Glow e webservice de textos bíblicos. 

Elismar Vilvock: É bacharel em Teologia pelo Instituto Concórdia de São Paulo e em Ciência da Computação pela UNIFIEO, Osasco (SP). Trabalha há mais de 10 anos na SBB com preparação, codificação, revisão e conversão de textos bíblicos para diversos formatos, incluindo livros digitais. Atualmente, é gerente de Desenvolvimento de Publicações Digitais.

A Bíblia e o futuro da humanidade : Livro milenar que tem transformado culturas e nações, a Bíblia é a Palavra de Deus revelada ao homem. Como tal, ela descreve o passado, elucida o presente e profetiza o futuro. Como a Bíblia apresenta o futuro da humanidade? De que forma o conhecimento bíblico acerca do futuro pode ajudar no presente? Que fatos presentes foram preditos no passado acerca do futuro e já estão se cumprindo? Estas e outras questões serão analisadas no referido encontro.

Henrique Araújo: Bacharel em Teologia e mestre em Ministérios Globais pelo Seminário Teológico Betel, tem licenciatura em Letras (Português-Grego) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro(UFRJ) e é mestre em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil. Doutor em Teologia pelo Trinity Theological Seminary. É escritor e professor do Seminário Teológico Betel e Seminário Teológico Moriah nas áreas de Teologia e Bíblia. 

Mauricio Price (moderador): Graduado em Medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro(UERJ), é pós-graduado em Clínica Médica, Medicina do Trabalho e Medicina Hiperbárica. Fez Mestrado em Ministérios Globais pelo Seminário Teológico Betel, estudou Teologia no Instituto Bíblico Ebenézer, ambos no RJ. Presidente do Diretório Estadual no Rio de Janeiro(2009-2013) e Conselheiro Nacional da SBB, é membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil e coordenador geral do Movimento Evangélico Universitário. É também radialista, evangelista e escritor.  


.



sexta-feira, 31 de maio de 2013

Caetano Veloso, Chico Buarque e Xuxa contra o Pastor Marcos Feliciano


"E conhecereis a verdade,  e a verdade vos libertará"
(Evangelho segundo São João, 8:32)


João Cruzué

O que têm em comum os "famosos" Caetano Veloso, Xuxa, Chico Buarque e o Pastor Marcos Feliciano? Resposta: o assunto mais comentado do momento no Brasil - a Presidência da  Comissão dos Direitos Humanos da Câmara Federal. As  três celebridades se uniram a um  coro de descontentes com a presença do Pastor à frente da dita Comissão. Além destes cidadãos tão zelosos do bem estar pátrio, temos mais uma dúzia de outros jogando pedra no pastor. Anote aí: Narcisa Tamborindeguy, ministra Maria do Rosário, Gabi Amarantos, Fernanda Montenegro, Wagner Moura, Luana Piovani, Osmar Prado, ishiii! A ministra Marta Suplicy, não perdeu a oportunidade e disse um "monte" contra o perfil do Pastor, e agora Presidente da CDH. De repente  Marcos Feliciano virou uma unanimidade nacional às avessas. Uma malhação nacional de judas. E se fosse um outro pastor? Creio que a lenha seria a mesma. 

Como a presidência da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara Federal foi parar nas mãos do Pastor Marcos Feliciano? Bem, analise comigo. Segundo o blog  congresso em foco  havia 21 comissões para os partidos escolherem. A principal delas era a primeira e mais importante era a CCJ e a CDH a última - literalmente  o restão! 

Pois bem, depois que os partidos maiores levaram o que lhes interessavam, o PSC deveria ficar com a Presidência da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, cargo que dirigia há dois anos. Mas a CFFC acabou sendo escolhida pelo PTB. 

Outro Partido que poderia ter escolhido a CDH, mas não escolheu foi o PCdoB de Manuela D'Ávila que preferiu a Comissão da Cultura. Assim, depois de todo mundo ter escolhido as melhores, dentro da realidade oferecida, o osso ficou com o PSC.  Foi assim que o Pastor Marcos Feliciano ganhou a Presidência da comissão mais desprezada da Câmara. Desprezada sim! porque nenhum partido quis ficar com ela. Nem o próprio PSC que acabou ficando por falta de opção.

Agora, um cabide de "famosos" (globotv.fantástico), celebridades de quase-celebridades - que não conseguem enxergar os reais problemas do Brasil - talvez porque tenham um Qi menos denso, se unem para malhar o judas do momento: o Pastor Marcos Feliciano. A coisa veio a um nível tão baixo que alguém mandou publicar uma matéria sem autoria nos maiores jornais do país colocando a mãe do deputado no rolo. Eu li pessoalmente o assunto na Folha de São Paulo de quinta-feira passada. Por que não quiseram assinar a matéria? E por que grandes jornais publicariam uma matéria não assinada? Quem a mandou publicar seria tão importante assim? Seria gente do governo? Foi uma baixaria tão grande que parece até matéria de favor.

A Senadora Marta Suplicy afirmou em entrevista recente que "o Pastor Marcos Feliciano, além de ser homofóbico, não tem histórico na militância pelos direitos humanos no Brasil e que sua eleição é um tapa na cara dos direitos humanos". Eu discordo. O Pastor é um ferrenho opositor à legalização do aborto no país. E pelo que me consta, a senadora é pró-aborto. Quem é que está dando um tapa na cara dos direitos humanos?

Se a presidência da Comissão de Direitos Humanos fosse tão importante assim, porque tantos políticos hipócritas não a quiseram? Porque o PSOL do deputado baiano Jean Willys não a reivindicou para si? Quer ouvir a resposta? porque ela era o resto do restos.

Agora vamos por a nu algumas verdades.

 Há dois anos o Nordeste está debaixo da maior seca. É um evento cíclico que acontece a cada período de 33 anos. Vejam está reportagem do Fantástico. Naturalmente, estas "celebridades" e "famosos" querem que os nordestinos se danem. Quer uma prova? procurem na busca do Google, quantas vezes o baiano Caetano Veloso criticou  pelo menos uma vez o atraso na transposição das águas do Rio São Francisco? Ou que desse um pio sobre o assunto.  Eu chequei esta informação: não há uma palavra sequer deste senhor sobre esta miséria. Ultimamente estava mais preocupado em elogiar a batida do funk carioca. Aquele gênero de música cujas letras humilham a mulher brasileira à condição de uma cadela no cio. Coisas piores qualquer morador de periferia do Rio e Sampa tem ouvido.

E sobre a roubalheira de dinheiro (Petrobrás, Banco do Brasil...) público do mensalão?  Se você procurar na Internet não vai ver uma só palavra da ex-rainha dos baixinhos sobre o assunto. Nada. Imagino que para ela isto deva ser,  sei lá, normal. Mas não deixou passar a oportunidade de descer a lenha o Pastor. Veja o que ela disse: "Esta pessoa não pode ser presidente da Comissão de Direitos Humanos. Ele não pode ter este espaço para usar, pisar e denegrir o ser humano... Esse é o direito de nós, nos protegermos desse tipo de pessoa."

E quanto ao Chico Buarque? Porque se meteu nesta história de jogar pedra no Feliciano, a "geni" da vez? Você já leu a opinião dele sobre a legalização das drogas?  Dê uma "lidinha" nesta entrevista e tire suas próprias conclusões, principalmente, quando perguntado sobre a legalização das  drogas...

Se alguém me perguntar: João, você votou no Feliciano? Eu não! Você sabe quantos votos ele teve para Deputado Federal no Estado de São Paulo? Sei: mais de 200 mil votos em um partido nanico - o PSC. Você acha que ele não tem histórico para defender os direitos humanos no Brasil? Respondo: neste ponto a ex-prefeita Marta Suplicy está enganada. Ele tem muito mais histórico do que ela, pois veio de baixo e sabe o que significa pobreza e miséria. 

Estão falando mal dele porque é um crente ocupando uma posição de muito interesse de meia dúzia de ativistas gays. Mas eles não devem cobrar a renúncia dele, não. Deveriam cobrar, sim, do deputado Jean Willys, pois se esta comissão é tão importante assim, porque sua excelência e seu partido escolheram outra comissão e  desprezaram a CDH? Ora, ora, ora... isso é o que eu considero uma tremendoo cara de pau!

Não votei e não tenho intenções de votar em pleitos futuros no Pr. Marcos Feliciano. Para mim, Pastor deve cuidar do seu rebanho e não ficar procurando sarna para se coçar em Brasília. Mas, que ele está sendo usado como boi de piranha para que uma boiada de corruptos passe despercebida mais abaixo no rio, está. E com a ajuda de uma multidão de famosos, quase-famosos e não-tão-famosos como massa de manobra.

Para o pessoal do ativismo gay que gosta de cuspir em crentes e encher a boca nos rotulando de homofóbicos, anote aí: Os evangélicos estão apenas começando o exercício pleno de suas cidadanias, no que tange à busca de representação política nas Casas Legislativas brasileiras. Antes, diziam que política era coisa do diabo; hoje, estamos bem esclarecidos. Tão esclarecidos a ponto de dizer que nosso maior cabo eleitoral tem sido os ativistas gays. 

Costumamos crescer debaixo da discriminação. Sim! Discriminação.  Devemos crescer no ano que vem pelo menos 20% nas Casas Federal e Estaduais. Estamos sim em um país laico. Embora a religião predominante seja o Catolicismo Romano, o Pastor Marcos Feliciano é evangélico. País laico não é um país onde a vontade das minorias se sobrepõe a das maiorias, mas sim onde a vontade das minorias é respeitada pela vontade maioria. No primeiro caso temos a ditadura. A ditadura gay.  No segundo caso temos a tolerância vinda de um estado laico em situação de democracia plena. Não confundam os conceitos.

 Quero ainda dizer que a questão não é com o Pastor Marcos Feliciano. Mas com o fato de um crente na Presidência da CDH. Qualquer que fosse o nome, ele estaria assando na chapa aquecida pela língua dos hipócritas e pseudo-intelectuais que armam o maior barraco contra picuinhas e  se fingem de cegos para não  enxergar as verdadeiras mazelas brasileiras: a corrupção, o patrimonialismo, a miséria da seca nordestina, a prostituição de crianças, o aborto de fetos majoritariamente do sexo feminino, a posição brasileira de segundo maior mercado consumidor de cocaína, falta de escola integral para nossos filhos, e 130 milhões de adultos que não chegaram a um canudo de curso superior.  E quanto a isto, não tenho visto nenhum famoso fazendo protesto no Brasil, nem em Madrid,  Paris,  Londre ou  Nova York...

Por fim, quero dizer que os protestos contra o Pastor Marcos Feliciano é coisa de "maria-vai-com-as-outras"... E no meio dessas "outras", tem muito político corrupto jogando lenha na fogueira! Mas, eu ainda prefiro um Pastor  que recebeu 211 mil votos a um corrupto escondido na penumbra da ignorância das massas ou a políticos abortistas que desejam que nasçam menos pobres nesta nação. Eu prefiro que parem de desviar o dinheiro público, para que todos os pobres deixem de ser pobres em um país que pode ter uma economia duas vezes maior.




.

Pr Silas no Programa do Ratinho



João Cruzué

O Pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, esteve hoje, 30.05.2013, à noite (22:30), no Programa do Ratinho, respondendo a várias perguntas do apresentador e de pessoas da rua. Acho interessante dizer que os dois são muito parecidos na forma de falar: são muito francos. Pastor Silas foi aplaudido várias vezes, depois de suas respostas para alguns temas. O que vou escrever abaixo não são, literalmente, as palavras do Pastor, mas o que entendi e guardei na memória.

A pergunta mais interessante que achei foi sobre sua opinião sobre o programa Bolsa Família. Pr. Silas respondeu que nenhum país pode se tornar auto-suficiente  com um povo subserviente. Ele comentou que a ajuda deveria ser dada até certo ponto, pois tem conhecimento de caso de pessoas que juntou dinheiro do bolsa-família para comprar bolsa de marca. E ele não falou a marca, para não fazer propaganda gratuita. Disse que o trabalho é que faz uma nação poderosa e não auxílios para que as pessoas fiquem em casa sem trabalhar. Lembrou que, embora não aprove várias ideias do ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso (a descriminalização da maconha) foi ele que instituiu o programa social que hoje é conhecido como bolsa-família - verdade seja dita.

Uma pessoa perguntou se quem ganha o salário mínimo deve dar o dízimo. A resposta do pastor foi que, só dá o dízimo que crê em Deus. Afirmou que muita gente que não crê, e que nunca pois o pé em uma Igreja Evangélica, vem com esta conversinha tosca. Disse que está na Bíblia, e que os ímpios não dão e ainda criticam os crentes que dizimam. O Pastor comentou que estava construindo uma nova Sede para a Igreja Evangélica Assembleia de Deus Vitória em Cristo no Rio, para ficar pronta mais ou menos em um ano e que o custo da obra está orçado em R$ 12 milhões. Ele disse um anjo  não iria descer do céu com um cheque assinado por JEOVÁ, para ser sacado em conta do Banco do Céu. Afirmou que os recursos para a construção do templo, com capacidade para 6.000 sentadas, eram  ofertados pelos próprios crentes.

Ratinho perguntou se os pastores não estão fazendo politica demais, em vez de cuidar das ovelhas. Pastor Silas foi enfático e disse que não. Respondeu para o apresentador que existem 400 mil pastores evangélicos no Brasil, e que a quantidade de pastores que estão na representação política é ínfima.

Perguntado sobre os atritos entre o Bispo Edir Macedo e o Apóstolo Valdemiro ainda existem. Pastor Silas disse que isto já é coisa do passado e que os dois já se perdoaram e estão cada um cuidando do seu trabalho, em paz.

Sobre o casamento gay, quando perguntado, o Pastor disse que o homossexualismo existe deste os primeiros tempos bíblicos, mas que ativismo gay é coisa dos últimos 20 anos. Disse ser contra a adoção de crianças por par de  homossexuais, porque isto vai desnortear a formação da personalidade de crianças. Falou que o primeiro contato de uma criança  é a figura da mãe. Falou que a figura do pai é que faz a primeira ruptura do relacionamento social da criança. Então, arrematou que quando não houver a figura paterna na adoção de crianças por pares de homossexuais, as consequências (ruins) disso só vão aparecer daqui a 20 ou 30 anos. No decorrer desta pergunta, Ratinho interrompeu o assunto para contar uma piada pesada.

Ratinho perguntou se ele não ficou chateado com a jornalista Marília Gabriela, devido a postura da apresentadora na entrevista com ele "De Frente com Gabi" do começo do ano. Ratinho perguntou também se e Pastor não tinha ficado muito nervoso durante a entrevista. Pastor Silas Malafaia aproveitou para elogiar a inteligência e o preparo da Gabi, afirmou que ela é uma dos três melhores entrevistadores da TV brasileira, mas, comentou, que ela se perdeu durante a entrevista, quando abandonou a posição de entrevistadora para ser debatedora dos assuntos que estava perguntando. Naquela circunstância, disse o Pastor, eu parti prá cima.

Pastor Silas foi muito elogiado pelo apresentador Carlos Massa, quando este comentou que o Pastor era um figura muito influente no meio religioso, que há pouco menso de uma semana tinha levado cerca de 500 mil pessoas na Marcha para Jesus na Cidade do Rio de Janeiro. 

Aproveitando a oportunidade, Pastor Malafaia convidou todo povo cristão, seja católico ou crente a participar da Manifestação do próximo 05 de junho, na Praça dos Três Poderes, em Brasília, às 03 horas da tarde, em favor da família e da liberdade de expressão.

Ratinho perguntou quem iria discursar em Brasília, e o Pastor disse que lá estariam muitos pastores, deputados, senadores, líderes católicos, e que depois do Ato, muitos cantores evangélicos fariam um grande show para os presentes. Citou nominalmente o artista Thales.

Pastor Silas também foi questionado se não tinha sido processado pelo deputado Jean "Williams" Ao que o Pastor disse que foi arrolado em um processo desse parlamentar contra o Pastor Marcos Feliciano, hoje presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara Federal. O pastor disse que quanto seu advogado foi tomar ciência dos autos de uma acusação de mais de 40 folhas, encontrou a citação do nome do Pastor em duas linhas. Ao que levado ao conhecimento do Juiz, este não aceitou o argumento da queixa-crime do deputado gay Jean "Williams".

No final da entrevista, o Pastor Silas Malafaia pediu um minuto de tempo ao Ratinho para proferir uma benção para o apresentador, auxiliares e para todo o auditório do Programa do Ratinho, atitude que foi bem recebida e muito aplaudida.

----------------

NOVO LIVRO DE POESIAS  
DE SAMMIS REACHERS


Estou lendo e gostando.
"João Cruzué"



sexta-feira, 12 de abril de 2013

Eleições CGADB 2013: Pastor José Wellington vence Pr. Samuel Câmara


dente de leão
João Cruzué

O Pastor Presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Ministério do Belenzinho, foi reeleito ontem, 11/04/2013, á Presidência da CGADB - CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS DO BRASIL, com 9.003 votos, contra 7.407 votos do seu opositor o Pastor Samuel Câmara, presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus da Igreja Mãe em Belem do Pará.

O mandato (último) do Pastor José Wellington Bezerra da Costa será de quatro anos e terá vigência até 2017.

Dos cerca de 24 mil pastores credenciados, apenas 17.075 de fato participaram da eleição, a maior da história da Convenção. 

O resultado do pleito foi o seguinte:

Pastor José Welllington:  9.003  - 54%
Pastor Samule Câmara.:  7.407  - 44%
Votos nulos ...................:175    - 1%
Votos em Branco.............:162    - 1%
---------------------------------------
TOTAL DE VOTOS ............ 16.747
---------------------------------------

O Pastor José Wellington venceu com 54% dos votos. Como base nos números apresentados de um lado o Pastor se apresenta com grande vitorioso há 22 anos. Por lado o ministério da Igreja se mostra dividido, pois 46% dos pastores  não votaram no atual Presidente. 

Este descontentamento dos Ministros assembleanos é explicado em parte por sua longa permanência no poder. Em minha opinião particular, a falta de alternância no exercício do poder de um só Presidente se por um lado garante um aparente firmeza de rumo, por outro pode abrir um marco referencial  perigoso: apego excessivo ao poder. 

No que diz respeito ao Pastor José Wellington, graças a Deus, sua liderança tem sido positiva. Mas o que dizer quando uma outra pessoa, de personalidade despótica, assumir o poder? Que freios a Igreja Assembleia de Deus terá para se livrar do incômodo? Isto poderá levar a enfraquecimento da Igreja pelo desestímulo aos ministros mais jovens.

A falta de alternância no poder é um motivo real de cisões, abertura de novos ministérios e novas convenções. A geração mais jovem está crescendo em mundo onde  tudo muda tudo em menos de dez anos. E uma denominação que não estiver preparada para isto, pode correr o risco de ficar sem liderança no momento mais crítico. A figura da flor do dente de leão acima, neste momento, é uma figura muito real e perigosa da Assembleia de Deus.

Boa sorte ao próximo mandato do Pastor José Wellington. Venceu dentro das regras do jogo. 

Ponto e acabou.



sexta-feira, 29 de março de 2013

Pele negra não é maldição divina


respeito e abobrinha

POR JOÃO CRUZUÉ

Comentário inicial do blogueiro: A pele negra, os olhos e  cabelos negros têm tudo a ver com  Melanina. Isto pode ser explicado cientificamente e nunca foi consequência de  maldição divina. Esta conversa fiada de que a cor negra dos africanos é decorrência da maldição de Caim, no passado era fundamento para escravagistas e hoje, preconceituoso.  Na mesma linha vem a maldição de Canaã, nascida para encobrir a falha da outra ilação, pois, Caim não chegou ao dilúvio. 

Pesquisando a Bíblia, ao meu ver nunca houve este tipo de  associação. E quando aparentemente aconteceu, parece que teve uma resposta dura de Deus.  É muito provável que a sedição de Miriã e Arão em Números 12:1 tenha tido origem na cor da pele da mulher  de Moisés, que era cuxita (etíope). Se assim foi, Deus não deixou isso sem castigo. A lepra de Miriã  a deixou branca como a neve. Teria este castigo alguma repreensão contra a manifestação de racismo?  Não há detalhes no texto, mas o contexto  traz uma grande  possibilidade  desta interpretação.

Alguns linguarudos ignorantes dizem que Noé amaldiçoou a descendência de Cã com a cor negra. Outros, mais linguarudos ainda, especulam que uma das noras de Noé era negra. De qualquer forma,  creio que esta difamação da hipocrisia dos evangélicos (Batistas) americanos do começo do século XX, que andavam com a Bíblia na mão e o ódio aos negros no coração. Se não fora DEUS, comissionando o  Pastor Martin Luther King Jr. os negros americanos até hoje ainda estariam oficialmente debaixo da segregação na América.  


E este assunto besta foi desenterrado há pouco tempo pelo polêmico Deputado Federal, Pastor Marcos Feliciano - que para mim fala demais. Tenho uma curiosidade: gostaria de saber de que versão da Bíblia  seria a literatura deste texto apócrifo: “Você e todos os seus descendentes serão eternamente amaldiçoados, e para diferenciá-los dos demais lhes darei a cor negra, a cor das trevas e do eterno pecado”.  Distorção grosseira de Gênesis 9:25 que NUNCA relacionou a maldição com a cor da pele de Cã ou de Canaã. (Fim do comentário inicial).

Veja agora o texto da Revista Despertai 
e lá no final vou deixar minha opinião com a verdadeira origem da raça negra.

REVISTA DESPERTAI/TORRE DE VIGIA

Edição;  22 março 1978

[FORAM OS NEGROS  AMALDIÇOADOS NA BÍBLIA?]

"MUITOS líderes religiosos respondem que “Sim”. Os clérigos Robert Jamieson, A. R. Fausset e David Brown, em seu comentário bíblico, asseveram: “Maldito seja Canaã [Gênesis 9:25] — esta maldição se tem cumprido na . . . escravização dos africanos, os descendentes de Cão.” — Comentary, Critical and Explanatory, on the Whole Bible (Comentário, Crítico e Explicativo, de Toda a Bíblia).

Afirma-se que não só a escravização dos negros cumpria tal maldição bíblica, mas que sua cor preta também. Assim, muitos brancos foram levados a presumir que os negros são inferiores, e que Deus propôs que fossem servos dos brancos. Muitos negros ficaram amargurados pelo tratamento recebido, em resultado desta interpretação religiosa. Uma delas observa:

[Testemunho de uma vítima do preconceito]:

“Era o verão de 1951 quando eu, menina curiosa de 7 anos, sentei nos degraus da Primeira Igreja Batista em ‘Sheepshead Bay’, Brooklyn, e chorei. Tentara diligentemente esfregar a negritude de minha pele até ela sair, porque minhas coleguinhas brancas tinham comentado que era repulsiva. Esfregá-la com detergente Ajax apenas deixou uma mancha vermelha, inchada, que doía, quase tanto quanto meu coração infantil, quando comecei a ponderar por que um Deus de amor me tinha feito negra, a menos que não me amasse.

“Tinha ouvido dizer que isso era devido a uma maldição imposta por Deus à nossa raça. Mas, não conseguia entender ou compreender o que havíamos feito a Deus para merecer tal castigo. E acho, refletindo, que no fundo do coração eu sempre nutri um ressentimento particular contra Deus por me fazer negra e me colocar num mundo branco.

“Nos distúrbios esmagadores das zombarias e epítetos raciais de minhas coleguinhas, tais como: ‘Se é branca, é linda criança; se é morena, só nos dá pena; se negra é, aqui não ponha o pé’, surgiu uma condição marcada, em que comecei a ferver de raiva, especialmente diante de meninas brancas da minha idade.”

Que dizer dessa maldição bíblica? São negras as pessoas por causa duma maldição imposta por Deus a algum ancestral delas? E sofreram os negros séculos de escravidão em cumprimento desta maldição? Ensina realmente a Bíblia tais coisas? Vejamos. O relato bíblico em pauta reza:

“E [Noé] bebeu do vinho, e embebedou-se; e descobriu-se no meio de sua tenda. E viu Cão, o pai de Canaã, a nudez do seu pai, e fê-lo saber a ambos os seus irmãos fora. . . . E despertou Noé do seu vinho, e soube o que seu filho menor lhe fizera. E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos. E disse: Bendito seja o Senhor Deus de Sem; e seja-lhe Canaã por servo. Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem; e seja-lhe Canaã por servo.” — Gên. 9:21-27, Tradução Almeida.

Tem-se afirmado que esta maldição bíblica marca os negros para a servidão perpétua. Com efeito, em 1838, o realizador duma cruzada anti-escravista, Theodore Weld, escreveu num tratado popular: A “profecia de Noé [supracitada] é o vade-mécum [companheiro constante] dos senhores de escravos, e eles jamais se aventuram a sair sem ele”. — The Bible Against Slavery (A Bíblia Contra a Escravidão), página 66.

Mas, primeiro de tudo, queira notar que nada se diz neste relato bíblico sobre alguém ser amaldiçoado com a negritude de pele. E, observe, também, que foi Canaã, e não seu pai Cã, que foi amaldiçoado. Canaã não tinha pele negra, nem seus descendentes, que se fixaram na terra que se tornou conhecida como Palestina. (Gên. 10:15-19) Os cananeus, com o tempo, foram subjugados pelos israelitas, descendentes de Sem, e, mais tarde, pela Medo-Pérsia, Grécia e Roma, descendentes de Jafé. Tal subjugação dos cananeus cumpriu a maldição profética sobre seu ancestral, Canaã. A maldição, assim, nada teve que ver com a raça negra.

De onde, então, proveio a raça negra? Dos outros filhos de Cã, Cus e, provavelmente, também de Pute, cujos descendentes se fixaram na África. Mas, como vimos, a Bíblia não diz absolutamente nada sobre os descendentes negros de tais homens serem amaldiçoados! Todavia, presumiu-se incorretamente que assim o foram. Quando é que os comentaristas eclesiásticos começaram a aplicar a maldição a Cã?

Um eclesiástico de uns 1.500 anos atrás, Ambrosiaster, aplicou-a assim, dizendo: “Devido à sua tolice, Cã, que tolamente zombou da nudez de seu pai, foi declarado escravo.” E John F. Maxwell observa em seu recente livro Slavery and the Catholic Church (A Escravidão e a Igreja Católica): “Este exemplo desastroso de exegese [explicação] fundamentalista continuou a ser usado por 1.400 anos e levou ao conceito amplamente expendido de que os negros africanos foram amaldiçoados por Deus.”

Até mesmo há uns cem anos atrás a Igreja Católica detinha o conceito de que os negros foram amaldiçoados por Deus. Maxwell explica que este conceito “aparentemente sobreviveu até 1873, quando o Papa Pio IX associou uma indulgência à oração em favor dos ‘desgraçados etíopes da África Central, para que o Deus Todo-poderoso remova inteiramente a maldição de Cã de seus corações’”.

Todavia, mesmo antes do começo da cristandade há mais de 1.500 anos atrás, sim, possivelmente mesmo antes de Jesus Cristo viver na terra, os rabinos judeus ensinavam uma estória sobre a origem da pele negra. Afirma a Encyclopœdia Judaica: “O descendente de Cã (Cus) tem pele negra como castigo por Cã ter tido relações sexuais na arca.”

“Estórias” similares foram inventadas nos tempos modernos. Os defensores da escravidão, tais como John Fletcher, de Luisiana, EUA, por exemplo, ensinavam que o pecado que motivou a maldição de Noé fora o casamento inter-racial. Afirmava que Caim fora assolado com a pele negra por matar seu irmão, Abel, e que Cã pecara por se casar com alguém da raça de Caim. É digno de nota, também, que Nathan Lord, presidente da Faculdade Dartmouth, no último século, atribuiu também a maldição de Noé sobre Canaã, parcialmente, ao “casamento misto proibido [de Cã] com a raça previamente iníqua e amaldiçoada de Caim”.

Mas, tais ensinos não têm nenhuma base na Bíblia. E houve gente, nos séculos passados, que mostravam que a maldição proferida por Noé estava sendo aplicada erroneamente aos negros. À guisa de exemplo, em junho de 1700, o Juiz Samuel Sewall, de Boston, EUA, explicou: “Pois Canaã é a pessoa amaldiçoada três vezes, sem se mencionar Cã. . . . Ao passo que os da raça negra [em inglês, Blackmores] não descendem de Canaã, mas de Cus.”

Também, em 1762, certo John Woolman publicou um tratado em que argumentava que a aplicação desta maldição bíblica, de forma a justificar a escravização de pessoas e privá-las de seus direitos naturais, “é uma suposição embrutecida demais para ser admitida pela mente de qualquer pessoa que sinceramente deseje ser governada por sólidos princípios”.

Imensos danos resultaram da aplicação errônea, por parte de eclesiásticos, desta maldição bíblica! A escravização dos negros africanos, e os maus tratos que lhes impuseram, desde os dias da escravidão, não podem de forma alguma ser justificados pela Bíblia. A verdade é: Os negros não são, e jamais foram, amaldiçoados por Deus!"

---fim- 

Opinião do Blogueiro sobre a origem da raça negra:

Na minha vida de cristão  ouvi muitas vezes, sempre de pessoas iletradadas, que nem pensavam direito no que repercutiam, que a cor negra da pele era maldição de Caim. Sem ficar repetindo esse assunto, e indo direto ao ponto, a pessoa que ressuscita este tipo de  texto em pleno século XXI está procurando encrenca. 

A Genética, um ramo da verdadeira Ciência que trata, entre outras coisas, do estudo do DNA, genes, cromossomos, bases de ligação, já jogou luz suficiente neste assunto, para dar a entender a quem investiga a beleza da criação de Deus que este tipo de comentário não resiste à mais simples lógica científica. Se Caim ou Canaã foi amaldiçoados com a pele negra, como ficaria explicada a cor negra das aves, peixes e animais? Será que somente o homem possui a cor da pele negra?

Se nós cristãos cremos pela fé que Deus criou o corpo do homem e da mulher, também devemos crer que Ele potencializou sua genética (DNA) para produzir filhos e filhas com diferentes cores de: pele, olhos e cabelos. A esta opinião devo acrescentar as Leis de Mendel, que tratam do estudo das características recessivas e dominantes transmitidas pela união de indivíduos diferentes da mesma espécie.

A pele negra, os olhos e  cabelos negros tem tudo a ver com  Melanina e nunca foi uma maldição divina. Sua origem é genética e tem perfeita explicação na Biologia. 

Bem, se em nossos dias, alguém ainda fica falando ou citando abobrinhas racistas nos púlpitos de Igrejas, talvez esteja mesmo procurando sarna para se coçar. Depois não me venha com conversa de perseguição injusta por causa da fé... Pois  em Provérbios 26:3 está escrito: "O açoite é para o cavalo, o freio é para o jumento, e a vara é para as costas dos tolos." 






.